• Mundo Zumm
  • Colunas
  • Zummcast
Início Colunas Agronegócio Consumo de etanol hidratado supera as melhores expectativas

Consumo de etanol hidratado supera as melhores expectativas

No primeiro trimestre, tivemos alta de 1,7% no consumo de combustíveis, em virtude do etanol hidratado, que cresceu quase 34% no período

Vamos ao resumo dos fatos de maio: segundo a UNICA, a moagem finalizada até a primeira quinzena de maio (45 dias de safra) foi de 84,15 milhões de toneladas, uma redução de 18,3% comparada aos mesmos 45 dias de 2018 e com mix de praticamente 68% para etanol, contra 65% da safra anterior. Esta moagem produziu 2,97 milhões de toneladas de açúcar (-28,43%), 954 milhões de litros de anidro (-23%) e 3,1 bilhões de litros hidratado (-15%). Vale ressaltar que 150 milhões de litros de etanol já vieram do milho.

Em relação às empresas, duas notas: a Cosan fechou a safra 2018/19 com moagem de 59,7 milhões de toneladas, e alocação de 52% do mix para etanol. Esperam para esta safra de 61 milhões a 63 milhões de toneladas. Vale ressaltar o anúncio da Cocal de projeto de R$ 130 milhões para produção de biometano, advindos da biodigestão de subprodutos da cana como o bagaço, palha e vinhaça, a serem produzidos nos 12 meses do ano. A usina fará 67 mil metros cúbicos por dia e venderá este produto ao mercado consumidor. Grande potencial para a cadeia da cana.

Estamos atrasados com a moagem e também surpreende negativamente a qualidade da matéria prima, quando se considera a concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR), que está nestes primeiros 45 dias de safra em 114,9 kg por tonelada, quase 4,7% abaixo dos 120,55 kg verificados na mesma quinzena do último ano.  De acordo com o CTC (amostra de 114 empresas) estamos com redução de 1,39% na produtividade agrícola, caindo de 83,36 t/ha para 82,2 t/ha para abril.

Produção de açúcar
Sobre o açúcar, o mês nos reservou esta seleção de notícias: A FCStone acredita que a produção de açúcar em 2019/20 será 1,9% menor, totalizando 182,2 milhões de toneladas e a demanda será 1% maior, de 187,9 milhões de toneladas, com isto teremos um déficit de 5,7 milhões de toneladas. Esperam produções menores na Índia (28,6 m.t. ou 13% menor devido a menos chuvas) e Tailândia (13,5 m.t, 9% menor devido ao plantio de outras culturas). Acreditam em produção de 27,8 m.t. no Brasil (9% maior). Os EUA devem produzir 8,5 m.t. (3,5% a mais), Europa 17 m.t. (0,6% menor). Para a safra 2018/19 estimam um déficit de apenas 300 mil toneladas.  Os estoques serão de quase 80 m.t. (praticamente 43% do consumo). Abaixaram o mix açucareiro no Brasil para 37,1% (era 40 na primeira estimativa), devido aos preços 35% maiores do petróleo.

Segundo a F.O. Licht, o déficit no ciclo internacional 2019/20 será de 1,7 milhão de toneladas e nesta safra um superávit de 400 mil. A produção total em 19/20 cairia 1,2 milhão de toneladas, ficando ao redor de 185,1 milhões de toneladas.  Deve cair na Tailândia e na Índia, além do Brasil.

Nesta safra 2018/19 a Índia superou todos os recordes e afundou os preços do açúcar. Deve produzir 33 m.t., aumentando estoques para 14,7 m.t. (38% maior) e inundando o mercado internacional com 3 m.t. nesta safra, principalmente para Bangladesh, Irã, Sri Lanka e Somália.

Números da Archer indicam que cerca de 11,35 m.t. da safra 2019/2020 estão já fixadas a um preço médio de R$ 1.164 por tonelada FOB, com prêmio de polarização. Isto representaria 54% do total a ser exportado (ano passado estava em 52,7%).

Exportações devem crescer em 2020
O Brasil chega a um acordo com a China e não vai mais questionar este país na OMC, que prometeu que em maio de 2020 deixará de cobrar a tarifa de 85% sobre exportações acima de 1,945 milhão de toneladas, voltando aos originais 50% de tarifa. Até este valor incidem 15% de tarifas. Com isto nossas exportações devem voltar a crescer para os níveis anteriores a este aumento de tarifa, podendo chegar a 2,5 milhões de toneladas por safra. Com as barreiras nossa exportação caiu muito, ficando de 1 m.t.  Segue muito ruim a situação do açúcar, a única boa notícia foi a da China.

Consumo do Etanol
Em relação às reflexões dos fatos e números do etanol e energia em maio, começamos com os números da ANP, mostrando o consumo de combustíveis em março no Brasil caindo 4%, puxado pelo diesel com 5,6%, a gasolina com 14,1% e o etanol foi o único que aumentou, 27,4%. Mesmo assim, no primeiro trimestre, tivemos alta de 1,7% no consumo de combustíveis, em virtude do etanol hidratado, que cresceu quase 34% no período.

As vendas de etanol em abril foram de 2,5 bilhões de litros (1,83 bilhão de hidratado e 666,61 milhões de anidro), sendo que as do hidratado estão 36% maiores e os níveis de estoques estão bem mais baixos (50%) do que os existentes neste período na safra passada.

Na primeira quinzena de maio, segundo a UNICA, o Centro Sul comercializou 1,32 bilhão de litros de etanol, quase 16% acima do valor no mesmo período de 2018. O hidratado atingiu 934,72 milhões de litros, recorde para este período, e 21,5% maior que a quinzena de 2018. As vendas de hidratado desde o início desta safra estão 31% maiores.

A FCStone projeta para o etanol a produção agora de 29,1 bilhões de litros em 2019/20, 1,5 bilhão a mais que a sua última previsão. A safra de cana seria de 574 milhões.

A GM lançará até o final do ano o Bolt EV, carro elétrico por um valor próximo a R$ 180 mil, a BMW o i3 por R$ 206 mil, a Jaguar o I-Pace por pouco mais de R$ 400 mil, a Nissan trará o Leaf por R$ 180 mil e a Renault com o Zoe, por R$ 150 mil.

A fala do Presidente Bolsonaro reaqueceu o debate da venda direta de hidratado das usinas aos postos. De um lado argumentos que trarão mais competição e simplicidade ao sistema, de outro, a questão de escala, tributação de PIS e COFINS e sonegação.

Qual seria a minha estratégia com base nos fatos agora em junho?
O setor vem sendo ajudado graças aos preços do petróleo e ao câmbio deixando a gasolina mais cara. Este fato somado às chuvas que incidiram nos canaviais e atrasaram o início de safra, fizeram o consumo do hidratado surpreender e os estoques caírem, como antecipei aqui há três meses. Esta é a torcida, que o consumo continue forte e que o Brasil consiga tirar quem sabe outra vez algo entre 5 a 10 milhões de toneladas do mercado mundial de açúcar. Hoje ainda aposto que a safra fecha com valor de ATR de R$ 0,643/kg.

Marcos Fava Neves
Engenheiro Agrônomo
Professor da FEARP/USP e EAESP/FGV
favaneves@gmail.com
www.favaneves.org

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui

MAIS LIDAS DA SEMANA

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!