Dieta planetária parte II: porque precisamos dela?

379

Pesquisa demonstra que os impactos ambientais do sistema alimentar poderiam aumentar de 50 a 90% até 2050 como resultado do crescimento populacional e do aumento de dietas ricas em gorduras, açúcares e carne

Como já anunciamos aqui no Portal Zumm, mais de 30 especialistas de diversas áreas estão desenvolvendo uma dieta planetária, que promete alimentar 10 bilhões de pessoas até 2050 (estimativa da população mundial neste ano). O estudo está sendo desenvolvido para ser apresentado a OMS (Organização Mundial da Saúde), saiba mais sobre ele.

O grupo de pesquisadores considera que muitos indivíduos sofrem com doenças relacionadas a dietas pouco saudáveis, como ataques cardíacos, derrames e alguns tipos de câncer. O objetivo do estudo é alimentar mais pessoas, diminuir a frequência dessas doenças provocadas pela alimentação não saudável e, ao mesmo tempo em que minimizam as emissões de gases de efeito estufa, impedir a extinção de espécies e preservar a água.

“Não há uma solução única que seja suficiente para evitar cruzar fronteiras planetárias. Mas, quando as soluções são implementadas em conjunto, nossa pesquisa indica que pode ser possível alimentar a população em crescimento de forma sustentável”, destaca Marco Springmann, do Programa Martin Martin sobre o Futuro da Alimentação e do Departamento de Saúde Populacional Nuffield da Universidade de Oxford, que liderou o estudo.

“Sem a coordenação dessas ações de correção de rota, a pesquisa mostra que os impactos ambientais do sistema alimentar poderiam aumentar de 50 a 90% até 2050 como resultado do crescimento populacional e do aumento de dietas ricas em gorduras, açúcares e carne. Nesse caso, todas as fronteiras planetárias relacionadas à produção de alimentos seriam superadas, algumas delas por mais de duas vezes”, completa Marco Spingmann.

Essa dieta reduziria à metade o desperdício de comida e aumentaria a quantidade de alimentos produzidos nas terras para o cultivo existente. Por incrível que pareça, essas iniciativas são capazes de mudar nossos hábitos alimentares.

Leia também: Síndrome do intestino irritável: será que eu tenho?

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui