Início Matérias Saúde Entenda as consequências do glaucoma para a terceira idade

Entenda as consequências do glaucoma para a terceira idade

A doença atinge 67 milhões de pessoas no mundo e é apontada como a segunda maior causa de cegueira

Nesta terça, 1º de outubro, é o Dia Internacional do Idoso. A data foi criada para chamar atenção aos temas relacionados ao público que mais cresce no planeta. Por isso, o Mundo Zumm traz um alerta sobre a doença que atinge 67 milhões de pessoas, principalmente idosos, em todo o mundo: o glaucoma.

O problema ocorre pelo aumento da pressão intraocular, provocando alterações no nervo óptico, responsável pela comunicação com o cérebro, que perde a capacidade de transmitir o impulso para o córtex visual, prejudicando o reconhecimento de cores, formas, memória visual, além de sobrepor imagens e perceber o movimento.

O oftalmologista da Santa Casa de São Paulo, Dr. Maurício Della Paolera, explica que as lesões geram perda lenta, progressiva e irreversível da visão. “Por se tratar de uma doença que não costuma apresentar sintomas, quando o paciente sente algum incomodo é sinal de estágio avançado, prejudicando o tratamento, uma vez que não conseguimos recuperar as células mortas, apenas impedir seu avanço”, explica Maurício.

Os sintomas geralmente não aparecem, mas quando surgem o paciente percebe a visão turva e em alguns casos dor intensa, ocorrendo quando há um aumento rápido da pressão ocular.

Ainda não há uma conclusão sobre o surgimento do problema.“O glaucoma pode se desenvolver em qualquer pessoa e a ciência ainda não sabe explicar ao certo a razão, mas estudos mostram alguns grupos de risco, com as pessoas com histórico familiar da doença, miopia, afrodescendentes, doenças autoimunes, traumas, uso de corticoides e diabetes”, esclarece Dr. Paolera.

Consultas periódicas ao oftalmologista são fundamentais para o diagnóstico precoce. O especialista deve medir a pressão ocular, realizar exame de fundo de olho e outras análises adicionais para indicar o tratamento mais adequado.

“Colírios e comprimidos são os tratamentos iniciais mais frequentes, pois são capazes de reduzir a pressão ocular, proteger o nervo óptico e, com isso, manter a visão do paciente. A doença não tem cura, mas pode ser controlada com o acompanhamento médico contínuo e uso de colírios antiglaucomatoso”, finaliza o médico.

Leia também: Idosos: A importância da prática de atividades de lazer

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui

MAIS LIDAS DA SEMANA

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!