Qual a sua idade biológica?

432
Idade biológica | Crédito: Divulgação
Idade biológica | Crédito: Divulgação

O funcionamento e o tempo do seu corpo não necessariamente andam de mãos dadas com a data do seu nascimento. Será que você é mais novo ou mais velho do que pensa?

Todos nós sabemos a nossa idade – aquela que aparece em nossos registros a partir do dia em que nascemos. Mas será que esse número corresponde a como nosso corpo funciona? Como tratamos nossa saúde deixa nosso organismo mais novo ou mais velho que nossa idade cronológica?

Para responder a essas perguntas, a marca de alimentos Quaker lançou a campanha “How old are you” (“Qual a sua idade”), convidando as pessoas a refletirem sobre a importância da saúde. Segundo o Dr. Paulo Zogaib, médico especialista em exercício e medicina esportiva, “o poder da escolha do estilo de vida é extremamente importante. Como você leva a vida − o que você come, como se exercita ou relaxa − é o que determina o que você é, incluindo a sua saúde interior”.

Inicialmente, a marca conduziu um experimento com 50 voluntários − com idades entre 18 e 80 anos −, que resultou na constatação que, na maioria das vezes, a idade biológica é diferente da idade cronológica. Inclusive, muitos participantes ficaram surpresos ao verem os resultados dos testes com grandes diferenças entre a idade interna e a cronológica.

Agora, a Quaker está dando a todos a oportunidade de descobrir a idade biológica por meio de um teste desenvolvido pelo Framingham Heart Study (um projeto do Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue da Universidade de Boston, nos Estados Unidos) e disponível no site. Com um método muito mais simplificado que o utilizado pelos voluntários da campanha, a avaliação se concentra em tópicos importantes da saúde individual, como gênero, idade cronológica, pressão arterial sistólica, índice de massa corporal e outras questões sobre doenças como diabetes e hipertensão.

Com a campanha “How old are you”, a ideia é inspirar os consumidores a adotarem um estilo de vida saudável e mostrar que melhorar os hábitos alimentares pode ser simples.

Leia também: 10 grandes ameaças à saúde em 2019, segundo a OMS

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui