• Mundo Zumm
  • Colunas
Início Colunas Agronegócio Como será o agronegócio em 2035?

Como será o agronegócio em 2035?

Terminamos uma safra recorde de grãos em 2018/19: com produção de 242 milhões de toneladas, ela gerou uma renda no campo de mais de R$600 bilhões

Nossas exportações do Agro neste ano serão de R$400 bilhões. Isso totaliza mais de R$1 bilhão por dia entrando pelos nossos portos e movimentando economicamente todo o Brasil. Mas como será o agronegócio em 2035?

Na minha visão, o país se consolida como fornecedor mundial de alimentos, vendendo por volta de US$200 bilhões por ano em produtos. Esses serão desde primários até processados e embalados, contribuindo para o controle dos preços dos alimentos e provendo maior acesso das populações mundiais. Isso graças à transferência contínua de ganhos de produtividade aos preços dos produtos. A produção será toda digitalizada, certificada e em consonância com as mais rigorosas normas de sustentabilidade nos pilares econômico, ambiental e social.

Seremos o país com as maiores reservas de preservação de áreas e de água no mundo, maiores taxas de utilização de fontes renováveis de energia e visto como potência alimentar e ambiental. E nossos produtos utilizarão desse posicionamento único.

Os caminhos

Tal resultado será atingido graças a duas grandes evoluções: no setor público, amplo conjunto de reformas estruturantes que melhorem o ambiente de negócios e a competitividade (previdência, tributária, trabalhista, logística, jurídica, concessões e privatizações, entre outras) e reduzam o peso do Estado na economia; no setor privado, a estruturação permanente de projetos de planejamento estratégico por setores, visando entender onde estão as oportunidades, reduzir as vulnerabilidades e ter projetos estruturantes para aumentar seu tamanho e rentabilidade.

Em 2035, as cadeias produtivas alimentares estarão muito mais integradas via plataformas digitais, cooperativas e associações extremamente fortes e representativas. Os processos de criação, captura e compartilhamento de valor, sempre no intuito de gerar oportunidades de inserção sustentável às pessoas, serão o eixo central das nossas cadeias produtivas de alimentos e bioenergia.

Lindo futuro pela frente!

Marcos Fava Neves
Engenheiro Agrônomo
Professor da FEARP/USP e EAESP/FGV
favaneves@gmail.com
www.favaneves.org

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui

MAIS LIDAS DA SEMANA

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!