Mais de 10 mil pessoas compareceram na Cava do Bosque nos cinco dias de competição para prestigiar os atletas de sete delegações mundiais

Além do título de campeão brasileiro, o II Campeonato Mundial de Futsal Down, realizado no Ginásio Gavino Virdes (Cava do Bosque), entre os dias 29 de maio e 04 de junho, deixa para o Brasil e a cidade de Ribeirão Preto uma aula de cidadania, lições de companheirismo e o respeito a diversidade no esporte – e na vida.

Escolhida para sediar o evento após o sucesso da 1ª Copa Brasil de Futsal Down realizada em 2017, Ribeirão Preto recebeu pela primeira vez um campeonato dessa magnitude. O mundial foi disputado por sete seleções: Argentina, Brasil, Chile, México, Peru, Portugal e Itália. A seleção italiana foi a campeã do I Campeonato Mundial de Futsal Down, realizado em Viseu, Portugal – o Brasil não participou desta competição.

De acordo com Ricardo Aguiar, Secretário de Esportes de Ribeirão Preto trazer o campeonato para a cidade foi uma sábia decisão. “Realizar um campeonato mundial é uma responsabilidade grande porque você pode se tornar uma referência positiva ou não, mas as equipes da Secretaria de Esportes e da Prefeitura de Ribeirão Preto foram extremamente comprometidas com a causa. Assim como a população da cidade, que abraçou a competição, foram mais de 10 mil pessoas em cinco dias na Cava do Bosque para assistir aos jogos”, comenta.

Cava do Bosque cheia para assistir a final entre Brasil e Argentina | Reprodução: Facebook da Secretaria de Esportes
Cava do Bosque lotada para a final entre Brasil e Argentina | Reprodução: Facebook da Secretaria de Esportes

Torcida animada

Em todos os dias da competição era possível notar a empolgação da torcida, formada por familiares e amigos dos atletas, simpatizantes do esporte e, principalmente, famílias de portadores de síndrome de down que se sentiram inspirados e representados pelos atletas dentro de quadra.

As seleções também contaram com a torcida das atléticas de universidades da região, cada uma delas, adotou um país e levantou o público durante os jogos. E toda essa animação foi um reflexo do que acontecia em quadra. “Ganhando ou perdendo os atletas vibravam com a emoção. O amor e o companheirismo que eles demonstraram dentro de quadra exalou para fora e todos os acolheram de uma forma muito carinhosa”, afirma Ricardo Aguiar.

O título é do Brasil

O saldo do campeonato foi positivo para a Seleção Brasileira que conquistou o primeiro título de campeã mundial de futsal down, vencendo a Argentina por 7 a 5 no último jogo. O Brasil terminou o mundial de maneira invicta, venceu todos os cinco jogos, além de marcar 35 gols e sofrer 20.

Com 5 gols no jogo final Renato Gregório terminou a competição como artilheiro, foram 21 bolas para dentro da rede. E mais um atleta da nossa seleção recebeu prêmio, Rafael Cavalcante, foi eleito o melhor goleiro.

A Seleção Brasileira ergue a taça de campeã | Reprodução: Facebook da Secretaria de Esportes
A Seleção Brasileira ergue a taça de campeã | Reprodução: Facebook da Secretaria de Esportes

Diversidade, uma grande jogada

A diversidade como uma grande jogada, este foi o slogan da competição que, além de promover os jogos de futsal, cedeu espaço para outros esportes e expressões artísticas, como patinação, ginástica olímpica, canto e dança. Muitas dessas apresentações foram realizadas por pessoas portadoras da síndrome de down ou com algum grau de deficiência e limitação.

As 7 seleções participantes do II Campeonato Mundial de Futsal Down
As 7 seleções participantes do Campeonato | Reprodução: Facebook da Secretaria de Esportes

“Adotamos duas palavras nesse mundial que refletem nesses atletas com síndrome de down, primeiro é a sinceridade e a segunda é o respeito, é algo incrível. O amor defini isso”, afirma o secretário. “Estamos muito felizes por mostrar que Ribeirão Preto tem essa capacidade acolhedora de todos os países, de todas as pessoas e de receber grandes eventos desse porte”, acrescenta.

Respeito às diferenças, inclusão, valorização do indivíduo, promoção da diversidade e integração social, esse foi o principal legado que o II Campeonato Mundial de Futsal Down deixou para todos.  

Leia também: Arena Eurobike: mais que um estádio, uma revolução

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui