Para educar é preciso inovar

0
433
Para educar é preciso inovar

Acompanhar a rapidez com que as informações se atualizam é um dos focos dos novos métodos de ensino das instituições de Ribeirão Preto e região

A globalização que comanda o mundo atualmente e que integra as fatias econômica, social, cultural e política tem motivado escolas, universidades e cursos extras a renovarem sua forma de ensino. Seja por meio de projetos sociais e de internacionalização, Ensino a Distância, aprimoramento dos materiais didáticos, inserção de novas línguas e técnicas, investimento na tecnologia ou até mesmo mudanças estruturais, as instituições educacionais repaginam sua essência na busca de oferecer novos horizontes para alunos, de todas as idades e classes sociais, que não se contentam com pouco. Ciente desse cenário, a Zumm Ribeirão convidou parceiros para destacarem as novidades aplicadas em seus variados tipos de ensino, atualizando o saber dos curiosos que priorizam o investimento nas entidades que entendem a necessidade desse refresh constante. Atualize-se!

Muitas novidades no Bento Benedini

Com uma proposta educacional pautada nos pilares da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e sempre renovando o conhecimento de sua equipe pedagógica, o Colégio Bento Benedini se preocupa em acompanhar a evolução tecnológica, mas sem abandonar alguns padrões clássicos da educação.
O material didático da Educação Infantil, por exemplo, foi reestruturado e, agora, oferecerá jogos virtuais em sintonia com o conteúdo desenvolvido em sala de aula, para que os alunos, nos momentos de descontração, não deixem de aprender. “Basta os pais instalarem esses jogos em seus eletrônicos de preferência. Sabemos que as crianças se interessam muito por esse universo, então, procuramos uma maneira de unir o útil ao agradável”, ressaltam Juliana Benedini Moura e Graziela Benedini Moura Calil, responsáveis pela instituição. Para o próximo ano, o colégio reserva boas novidades, como a inserção do inglês na Educação Infantil e no 1º ano do Fundamental I (saiba mais na página 26).

Graziela Benedini Moura Calil e Juliana Benedini Moura

Alfabetização solidária “Seja Sol”

Para comemorar seus 20 anos, o Colégio Villa Lobos idealizou o “Seja Sol”, um projeto de alfabetização solidária que alfabetizará 20 adultos, envolvendo todos os alunos do colégio, do Ensino Infantil ao Médio, na participação desse processo. “Nossos jovens aprenderão que ajudar ao outro traz para a vida experiências únicas e inesquecíveis. Nessas duas décadas de história, entendemos que aceitação, acolhimento e respeito tornam a pessoa mais aberta para a aprendizagem, em qualquer fase da vida”, afirma Carla Baldini, diretora pedagógica do Colégio Villa Lobos.
Segundo ela, uma escola sólida é a que consegue conectar alunos, pais, família, educadores e comunidade ao mundo, fazendo a diferença e mudando a história de vida de alguém. “Conectados, construímos um ensino forte e afetivo. Formamos cidadãos engajados, partindo de valores éticos e de respeito ao outro, ao meio e à vida!”, enfatiza Carla.
Com início em setembro de 2018, o “Seja Sol” está em busca de parceiros, afinal, para a diretora, grandes resultados acontecem com grandes parcerias. “Convidamos a todos para participarem dessa iniciativa! Caso conheça alguém que queira aprender com a gente, é só entrar em contato. Seja Sol, mostre o caminho e venha para o Villa!”, finaliza Carla.
Informações sobre o projeto do Colégio Villa Lobos também pelo telefone (16) 3624.2523.

Carla Baldini

Organização é um dos segredos

Equilibrar as atividades escolares com os cursos extras e horas de lazer fora da escola é de extrema importância para que o aluno possa conciliar a diversão com o aprender. Segundo Eduardo Gula, diretor-geral do Colégio Einstein, o programa Coaching de Estudo – método exclusivo da escola – é um dos caminhos que podem ser utilizados pelos vestibulandos Einstein em busca dessa organização. “Desde o começo do Ensino Médio, nossos alunos recebem um cronograma de organização individual, para conciliar as atividades complementares da escola com outras que desejam realizar. É um horário a ser seguido e que se intensifica no terceiro ano, em que recebe uma monitoria constante”, explica o diretor.

Eduardo Gula

Para que o resultado apareça, é preciso não apenas organizar os horários no papel, mas também cumpri-los com maestria. Caso seja detectada a necessidade de reforço em uma determinada matéria, junto com as aulas matinais, o Einstein conta, no período da tarde, com aulas extras, que seguem vários modelos, como de aprofundamento e retomada de conteúdo.
Além de organização, a parte emocional do estudante precisa estar em harmonia para que, no momento das provas, ele possa dar o melhor de si. Lucas Resende Brazão, aluno do Extensivo do Colégio Einstein, é prova disso. “O programa Coaching de Estudo me ajudou a desenvolver a parte emocional, como novos métodos de estudo e de realização de provas, voltados para a minha individualidade. A partir disso, tornei-me uma pessoa mais organizada e segura”, revela.
Ele ainda destaca a importância do aluno nesse processo, pois é quem será a peça-chave e deve correr atrás e aplicar os passos sugeridos pelo programa. “Se ele não estiver com disposição para melhorar, de nada irá adiantar! As conversas com o Gula e com os outros professores também são fundamentais para o emocional, pois nos deixam mais motivados e tranquilos. O Coaching de Estudo é um projeto que indico a todos os estudantes na fase do vestibular, pois conseguimos aproveitar ao máximo o que nos é passado, além de amadurecermos bastante, até mesmo para os desafios da vida!”, finaliza Lucas.

Lucas Resende Brazão

Política de internacionalização da Unaerp

Com foco em promover a internacionalização do ensino, da pesquisa e da extensão, possibilitando aos seus professores, alunos e colaboradores o convívio com diferentes culturas, a DCINI (Divisão de Cooperação Nacional e Internacional da Unaerp) possui mais de 100 convênios de cooperação internacional que possibilitam atividades ou programas de curta e longa duração a sua comunidade universitária. Atualmente com 26 estudantes em intercâmbio, sendo 11 estrangeiros na Unaerp e 14 da Universidade no exterior, os convênios buscam fomentar a mobilidade acadêmica de professores e alunos; acordos de cooperação em projetos de pesquisa; publicações conjuntas de produção intelectual; cursos de formação continuada; programas de capacitação de verão/inverno; cursos semestrais ou anuais no exterior para alunos e professores; participação em seminários; encontros acadêmicos e programas de desenvolvimento profissional. “A Unaerp acredita que a internacionalização no ensino superior promove um grande enriquecimento acadêmico, ganhos em competências e habilidades. Com a experiência de uma mobilidade de seis meses a um ano, os alunos interagem com novas culturas e novo modo de pensar e agir, ampliam sua visão de mundo e aperfeiçoam outro idioma, além de enriquecerem seu currículo acadêmico com atividades diversas daquelas oferecidas em nossa Instituição. Outro benefício é a possibilidade de abrir seus horizontes por meio de pesquisas conjuntas”, explica Vanessa França Bonini Panico, coordenadora da Divisão de Cooperação Interinstitucional.
A DCINI vem realizando muitas ações para internacionalização dos campi da universidade. Dentre as previstas no plano de ação estratégico de 2017/2021, está a oferta de cursos em idiomas estrangeiros para capacitar estudantes a atuarem profissionalmente no Brasil e no exterior, como explica a Profª. Drª. Suzelei de Castro França, assessora de Cooperação Internacional e coordenadora do Mestrado e Doutorado em Biotecnologia da Unaerp: “em 2017, a DCINI lançou um edital interno para seleção de professores de todas as áreas de saber, com formação e experiência internacional, para ministrarem cursos em inglês e espanhol, a serem oferecidos para alunos da Unaerp e de universidades nacionais e estrangeiras parceiras”.
Os cursos para o segundo semestre de 2018 foram propostos por docentes do programa de Pós-graduação em Biotecnologia com conteúdo em duas áreas de concentração: Saúde e Meio Ambiente. Esses cursos foram planejados para estudantes de graduação e pós-graduação de áreas correlatas com saúde, tecnologia e meio ambiente. Os créditos obtidos poderão ser convalidados nos respectivos cursos regulares.

Grupo de estudantes franceses do Sup´Biotech, que estudam atualmente na Unaerp como parte do “Internship abroad”. No centro, a coordenadora Vanessa Bonini

Como os alunos interessados podem participar?

A Unaerp abre, anualmente, editais para a seleção de alunos interessados em seu Programa de Mobilidade Internacional. Para se candidatar, o aluno precisa atender alguns requisitos: ter integralizado, no mínimo, 40% e, no máximo, 80% do currículo de seu curso; apresentar bom desempenho acadêmico; possuir ou estar apto a prestar o teste de proficiência de idioma, conforme as exigências da universidade estrangeira escolhida, e apresentar uma Carta de Recomendação de um professor, avalizada pelo coordenador de seu curso. Após ser pré-selecionado pela Unaerp, o aluno se candidata para a instituição parceira e, sendo aceito, pode cursar de um ou dois semestres na universidade escolhida.

Pesquisa e responsabilidade socioambiental

O Moura Lacerda sempre apoiou projetos e causas que impactassem, positivamente, na vida dos cidadãos. Além disso, incentiva e oferece as ferramentas necessárias a seus alunos para também atuarem em benefício da sociedade. Um exemplo disso foi a criação da campanha “Meu Ambiente – Responsabilidade Cidadã Compartilhada”, por membros do projeto de extensão universitária “Publicitários Solidários”, e da Agenda Ambiental Moura Lacerda para o Gaema (Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente), vinculado ao Ministério Público do Estado de São Paulo. O objetivo da campanha educativa é conscientizar as pessoas sobre questões ambientais diversas – começou com resíduos sólidos e, até 2020, abordará água, queimadas, vegetação e fauna.

“Além da responsabilidade socioambiental inerente ao projeto, conseguimos com essa ação concretizar uma das bases do tripé acadêmico, formado pelo ensino, a pesquisa e, nesse nosso caso, a extensão, uma das funções de uma instituição universitária”, diz Patrícia Andrade, reitora do Moura Lacerda.

No campo da pesquisa, alunos do Centro Universitário preparam-se para participar do 18º Conic-Semesp (Congresso Nacional de Iniciação Científica – Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior), um dos maiores eventos da área no Brasil. O Mestrado em Educação desenvolve, hoje, vários projetos subsidiados pela Capes/Prosup (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior / Programa de Suporte à Pós-Graduação de Instituições de Ensino Particulares). “As pesquisas que realizamos na instituição, em nível de Graduação ou Pós-Graduação, sempre retornam em benefícios para a comunidade, uma vez que a dedicação de nossos alunos e docentes no desenvolvimento desses projetos amplia os horizontes de inserção na sociedade e cumpre nossa missão institucional”, conclui Patrícia.

Patrícia Andrade

Aprenda onde estiver!

A EAD (Educação a Distância) voltada para pós-graduação tem, cada vez mais, ganhado espaço em centros universitários reconhecidos no segmento educacional. Um grande exemplo disso é o projeto apresentado pela Barão EAD, desenvolvido pelo Centro Universitário Barão de Mauá, que possui mais de 50 anos de atuação no ensino superior brasileiro. Aliando tradição e excelência, possui um corpo docente qualificado (mais de 80% de mestres e doutores), com material didático exclusivo e produzido pelos próprios professores que também atuam nos cursos presenciais da instituição. Assim, seus cursos de Pós-Graduação EAD oferecem rico material instrucional, disponibilizado em Trilhas Referenciais de Aprendizagem e videoaulas que complementam a proposta de ensino, entregando ao estudante casos práticos de aplicação dos referenciais teóricos e dicas pertinentes ao conteúdo de cada disciplina. “Durante os cursos, o estudante da Barão EAD conta com um moderno ambiente virtual de aprendizagem e uma biblioteca virtual com mais de 4000 livros em diversas áreas do conhecimento, todos em língua portuguesa, disponíveis 24 horas por dia, sete dias por semana, no decorrer de todo o curso”, destaca Dyjalma Antonio Bassoli, pró-reitor de Educação a Distância da Barão de Mauá.
Desde agosto, a Pós-Graduação Barão EAD ganhou três cursos: Especialização em Educação Ambiental, MBA em Comunicação e Marketing e MBA em Comunicação Empresarial. Segundo Bassoli, cada disciplina dos cursos possui um professor responsável que auxilia o estudante e o acompanha no desenvolvimento de seu processo de aprendizagem, sendo prioritariamente o mesmo docente que desenvolveu o material instrucional. “A Barão EAD utiliza metodologias ativas de aprendizagem, tornando o estudante o protagonista do seu processo de ensino-aprendizagem. Assim, ele exercitará como se aprende a aprender, tornando-se um profissional completo, apto a enfrentar os desafios profissionais que encontrará”.

Foto: Divulgação

Fotos: Rafael Cautella/Zoro Seixas/Divulgação

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui