O Direito prevê, de forma bem objetiva, que todo aquele que pratica um ato contrário à lei responde pelos danos causados, sejam materiais ou simplesmente morais

Nos dias atuais, a discussão sobre os efeitos de informações divulgadas por usuários de redes sociais e aplicativos, como Facebook, WhatsApp e LinkdIn, é recorrente. Impossível não recebermos diariamente dezenas de notícias com os mais variados conteúdos, que, consequentemente, nos despertam reações ou sentimentos igualmente diversos.

Diante disso, compartilhamos, encaminhamos ou simplesmente curtimos qualquer conteúdo em nossa timeline, sem nos dar conta da importância de tais atos e suas consequências. Esses comportamentos multiplicam as fake news e, até mesmo, conteúdos ilícitos, racistas, preconceituosos ou, por vezes, simplesmente inadequados. Vidas alheias podem ser seriamente prejudicadas em função dessa irresponsabilidade virtual.

O Direito prevê, de forma bem objetiva, que todo aquele que pratica um ato contrário à lei responde pelos danos causados, sejam materiais ou simplesmente morais. A responsabilidade recai não apenas sobre o criador da notícia, mas sobre todos os que, de alguma forma, contribuem para sua disseminação. Assim, é importantíssimo ao usuário das redes sociais ou aplicativos de mensagens tomar cuidado redobrado ao avaliar aquilo que curte ou compartilha, sob pena de, em algum momento, responder por tais atos pessoalmente.

Consulte as fontes, certifique-se do conteúdo e, finalmente, apenas divulgue aquilo que possa trazer para você, seus amigos (reais ou virtuais) e toda a comunidade algo útil, proveitoso e capaz de melhorar nossa sociedade.

 

Dr. Ronny Hosse Gatto|OAB 171639/SP
Mestre em Direito da Integração e Relações Empresariais e Especialista em Direito Processual Civil e do Agronegócio
Dúvidas: ronny@gmpa.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui