Um vestido de noiva para chamar de seu

122

Se você vai se casar e tem dúvidas sobre o modelo ideal, a hora de clarear as ideias é agora! A expert no segmento de casamentos Constance Zahn dá dicas preciosas sobre o assunto

“O vestido é o que mais faz os olhos de uma noiva brilharem. Muitas vezes, ele é sonhado desde a infância, mesmo sendo somente uma ideia. Não acho exagero quando as pessoas falam que o vestido de noiva é a roupa mais importante da vida de uma mulher. Por essa tamanha importância que ele possui, muitas vezes é difícil escolher”, declarou Constance Zahn logo no início da nossa entrevista. Diante dela, minha pergunta não poderia ser diferente: como e por onde começar a busca do vestido de noiva ideal?

Em primeiro lugar, a especialista explicou que é preciso ter uma ideia do todo: onde vai ser a festa, o estilo do casamento e o horário. Decidido isso, começa a procura pelo vestido que, ao olhar no espelho, você chamará de seu. “A gente é capaz de achar muita coisa bonita, do extravagante ao minimalista, mas pense quem você é. A opinião da mãe, do noivo e da família são até bem-vindas, mas a decisão final é sua”, destaca a especialista.

Constance Zahn | Crédito: Débora Pitanguy
Constance Zahn | Crédito: Débora Pitanguy

O indicado é começar a pesquisar pelo menos seis meses antes do casamento, principalmente se o desejo for um modelo sob medida com bordados elaborados ou com uma renda que precise ser importada.

De acordo com Constance, os vestidos de noiva prontos são perfeitos para noivas que não querem surpresa, buscam pela praticidade, rapidez e por um custo mais acessível − pacote completo de um prêt-à-porter.

Já quem sonha em ter um modelo exclusivo precisa encontrar um profissional que tenha muito conhecimento sobre o assunto e saiba orientar sobre o que valoriza ou não o corpo. “Minha mãe sempre diz: ‘O desenho aceita tudo, o corpo não!’. Por outro lado, o sob medida aguça a imaginação. É muito bacana ver seu vestido tomando forma, nascendo”, ressalta Constance.

Fonte de inspiração

Crédito: Larissa Felsen para Revista Constance Zahn
Crédito: Larissa Felsen para Revista Constance Zahn

A moda é cíclica e nossas escolhas têm muito a ver com as inspirações que absorvemos de outras culturas, como a norte-americana, a libanesa e a europeia.

“Os Estados Unidos ditam muitas tendências, principalmente a estilista Vera Wang. Na época em que comecei o blog (2007), as noivas tinham um grande preconceito com o saião. Elas chegavam ao ateliê da minha mãe e diziam ‘não sei o que eu quero, mas sei o que não quero: vestido bolo de noiva’. Foi aí que Wang fez uma coleção com vestidos volumosos, porém assimétricos e modernos. Pronto! Os modelos cheios de pompa voltaram a roubar a cena! O mesmo aconteceu no final dos anos 1990 quando ela apostou na estética clean dos tomara que caia lisos, alguns até no estilo slip dress”, lembrou.

Constance também destacou a influência da moda libanesa entre as brasileiras que amam o estilo suntuoso dos estilistas Zuhair Murad e Elie Saab. Outras referências indispensáveis no universo “bridal” são as princesas da família real britânica.Quando a Duquesa de Cambridge Kate Midleton se casou, a manga longa virou febre! Já a Duquesa de Sussex, Meghan Markle, seguiu a cartilha da realeza, imprimindo o estilo tradicional das princesas com seu vestido liso e uma tiara que deixava a suntuosidade falar por si só”, observou.

Leia mais: Casamento na fazenda

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui