Quando você descobre a perda auditiva, mesmo em grau leve, existe a preocupação de como escolher entre as variedades de marcas e valores dos aparelhos auditivos

Entre tantas dúvidas, algumas pessoas preocupam-se com o valor na compra de um aparelho auditivo e acabam esquecendo outras características muito mais importantes: a experiência do profissional; a estrutura do centro auditivo; o programa de acompanhamento após a compra; a marca e a procedência do aparelho auditivo; e a tecnologia oferecida.

O fonoaudiólogo deve estabelecer com seu cliente uma relação de confiança. Sua primeira conduta deve ser a realização de uma avaliação focada na necessidade auditiva a fim de traçar o perfil do paciente, para poder oferecer a melhor tecnologia existente. Considerar também as tendências do futuro, ou seja, o aparelho comprado nesse ano não pode ser considerado defasado no ano seguinte. O profissional deve prestar ainda, durante todos os atendimentos, uma verdadeira consultoria para que juntos façam a melhor escolha e verifiquem o quanto de benefício o aparelho trará para o seu dia a dia.

Qual a melhor escolha? A resposta é simples: estar com um profissional que saiba orientar e permaneça acompanhando seu caso após a aquisição do produto. Se a opção for para mais ou menos tecnologia, que ela seja esclarecida e pontuada para que o cliente esteja consciente de sua compra. A relação de tecnologia funciona desta forma: quanto maior a restrição de recursos, maior a necessidade de retornos para ajustes do aparelho. Por outro lado, quanto maior o nível de recursos, ou seja, tecnologia, mais prático e adequada ficará a sua amplificação, assim como sua experiência. Procure a Sonido para mais informações!

Flávia Araújo Santos
Fonoaudióloga (CRFª2– 11.140)
www.sonidoaudicao.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Deixe seu Comentário
Por favor coloque seu nome aqui